terça-feira, 7 de dezembro de 2010

A Era do Espírito Santo


Portugal, como nação abriu as portas ao mundo, criou a primeira rede de comunicação entre civilizações, deu inicio à aldeia global.
A Aldeia Global é composta por diferentes civilizações e não por uma única civilização global (o ocidente ainda não percebeu que a sua influência se deu a um nível muito superficial). Como o religioso é uma faceta fundamental nesta nova era, é preciso criar um novo tipo de comunicação entre culturas, primeiro que tudo aceitar as diferenças, na certeza de que existem elementos profundos comuns a todas as formas de espiritualidade.
O português pela sua cultura de tolerância, pelo seu carácter universalista e graças à centelha divina que habita em todo o ser humano, pode ter um papel importante na construção de pontes entre as diferentes civilizações.

3 comentários:

Antonio Alonso Martinez disse...

Há uma conhecida expressão que costumamos utilizar acerca de quem não tem escrúpulos: "Aquele até vende a mãe!"

D. Afonso Henriques fez guerra contra a mãe por um punhado de terra! Queria ser Rei e não olhou a meios para isso!

Assim nasceu Portugal!

Após o 25 de Abril de 1974, foram muitos os governos que por cá passaram. A situação foi sempre de crise!

Quando os portugueses culpam os governos pela sua caótica situação, estão nada mais do que a afirmar: "Não sabem tomar conta de nós!"

Por isso muitos têm saudades da Ditadura! Não sabem tomar conta de si mesmos. É um povo que reivindica uma mãe que foi traída!

Um povo fundado pela desonra familiar, é um povo desunido na sua essência!

É um povo que não o é!

Anónimo disse...

Claramente que o António é a favor da Ideia de Ibéria como um país, será por causa do seu nome? Não sei. Mas certo é que Portugal só está órfão de líderes sérios e sem ligações a Sociedades Secretas e seus interesses financeiros e obscuros. Não é a falta de uma mãe pois segundo reza a história Houve um Rei que Coroou Nossa Senhora (aquela que no século passado apareceu por Fátima) como Rainha de Portugal. Haverá melhor "mãe" (Rainha) que aquela que os Cristãos chamam de Nossa senhora?

PS: "Quem nasce em Portugal é por Missão ou Castigo" por Fernando Pessoa em A Nova Poesia Portuguesa no Seu Aspecto Psicológico, in A Águia, nº 12, II série.

Cumprimentos

Antonio Alonso Martinez disse...

Caro Anónimo,

Em Espanha não precisamos de portugueses para nada! Já cá temos colombianos e chineses que cheguem!

Essa das Sociedades Secretas não passa de uma masturbação de que alguns necessitam: na falta de essência, finge-se!

Meu caro, essa da Rainha Nossa Senhora pode interessar ao bolso da Igreja, mas afinal estamos a falar de coisas sérias ou a citar a História de Portugal da instrução primária pré 25-Abril??

De qualquer modo não há melhor mãe do que a minha! Se o meu caro não está satisfeito com a sua, é lá consigo!

PS: Há apenas duas coisas interessantes em Portugal — a paisagem e o Orpheu.
Tudo o que está de permeio é palha podre usada (...).
Por vezes estraga a paisagem pondo-lhe lá portugueses.
Mas não pode estragar o Orpheu porque esse é à prova de Portugal.
por Fernando Pessoa
Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação - 1916

Cumprimentos